Fonte: UOL Esportes

Diante do Botafogo, nesta quarta-feira, às 21h50 (horário de Brasília), no Mineirão, o meia Roger pode estrear pelo Cruzeiro no Campeonato Brasileiro. Depois de cumprir suspensão nas três primeiras rodadas, ele afirma que não sabe se terá condições de suportar os 90 minutos.

“Não tenho a mínima ideia, porque desde que cheguei, o máximo que joguei foram 50 minutos. Só posso vir a saber se, realmente, vir a jogar os 90 minutos. Hoje não tenho ideia, não”, afirmou.

Com Gilberto na seleção brasileira, Roger pode ganhar a condição de camisa 10 do Cruzeiro nas próximas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro até a paralisação para a Copa do Mundo. Entretanto, o meia prefere esperar pela decisão do técnico Adilson Batista.

“A gente não sabe o que o treinador vai fazer e espera sempre as oportunidades, e trabalha para isso. Se ele optar por mim, tenho que estar preparado. É lógico que há muito tempo não jogo, venho ficando no banco, poucas vezes entrando. Vou tentar fazer o melhor”, observou.

Roger, que chegou ao Cruzeiro no princípio de fevereiro, disputou 11 dos 31 jogos do Cruzeiro na temporada. Ele alega que precisará de uma sequência de jogos para poder demonstrar um bom futebol na equipe mineira.

“Quero sempre atuações melhores, mas se não tiver uma sequência é difícil você entrar. Só o ritmo de jogo e entrosamento com a equipe te trazem caixa para você jogar bem cada vez mais. Sem isso é difícil, mas trabalho bastante, me empenho ao máximo para ter essa sequência e jogar mais”, avaliou.

Aos 31 anos, o meia admite que a permanência na reserva é uma situação nova em sua carreira, mas não surpreendente. “É uma situação nova. Sempre onde passei joguei e fui feliz. Mas, quando optei pelo Cruzeiro, sabia que seria difícil, porque chegaria num clube bem estruturado e com uma equipe já montada. Estou trabalhando com paciência, esperando a oportunidade, porque uma hora ela vai chegar e tenho de estar preparado para cumprir tudo aquilo que o treinador quer para ganhar meu espaço”, analisou.

Entretanto, Roger afirma que não há motivo para ficar chateado no Cruzeiro. “Não estou nem um pouco chateado, estou muito feliz aqui, eu sabia que no Cruzeiro iria demorar a conquistar meu espaço pela qualidade que o time tem. Isso estou encarando de forma normal, porque botei na minha cabeça que essa dificuldade iria acontecer e agora espero ter sequência maior”, disse.

Nas três primeiras rodadas do Brasileirão, Roger não pôde jogar foi punido quando atuava pelo Grêmio, em 2008. Na ocasião, o meia escondeu um rádio atirado em campo por um torcedor do time gaúcho no Campeonato Brasileiro daquele ano.

Anúncios