You are currently browsing the tag archive for the ‘campeonato brasileiro’ tag.

Fonte: Site Oficial

Os jogadores do Cruzeiro ressaltaram os erros do time após a derrota por 2 x 1 para o Atlético-GO, na noite deste domingo, no estádio Serra Dourada, em partida válida pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. A Raposa sofreu o gol de desempate aos 39 min do segundo tempo, depois de perder uma jogada no ataque.

O goleiro Fábio, que não teve culpa nos gols, afirmou que o Cruzeiro esperava conseguir os três pontos contra o lanterna da competição.  O camisa 1 recordou que esta foi a primeira vitória do Atlético-GO na competição nacional nos sete jogos disputados.

“É uma derrota que, de maneira alguma, a gente esperava. Precisávamos dos três pontos, lógico que com todo o respeito (ao adversário) e tínhamos que consegui a vitória, em Goiânia. Mas parabéns para o Atlético-GO que nos venceu”, disse.

Já o volante Fabrício destacou que o elenco tem que aproveitar o tempo de paralisação na Copa do Mundo para corrigir os erros.

“São os vacilos que a gente vem dando, contra-ataques e bobeiras. Vamos aproveitar este tempo de folga para melhorar, acertar o time. O Cruzeiro tem que estar voando para o segundo semestre”, observou.

Anúncios

Fonte: UOL Esporte

Um dos líderes do Cruzeiro, o zagueiro Leonardo Silva acredita que a campanha irregular neste início de Campeonato Brasileiro não vai desestabilizar o grupo celeste. Para o capitão cruzeirenses, os jogadores estão unidos e confiantes na conquista do título brasileiro.

“Nunca passou isso pela nossa cabeça, de perder a confiança, de desconfiar de algum companheiro, de desconfiar da equipe, acho que isso acontece. A equipe passa por momentos bons e ruins dentro da competição, mas dentro do Cruzeiro, independente disso, a gente procura manter a estabilidade, manter a confiança, manter o equilíbrio, manter o foco nosso, que é conquistar o título”, observou o zagueiro.

Depois vencer dois jogos (Internacional e Botafogo) e empatar duas vezes (Avaí e Guarani), o Cruzeiro sofreu a primeira derrota no Brasileirão, diante do Ceará, por 1 a 0, domingo passado, no estádio Castelão, em Fortaleza.

“Aconteceu da primeira derrota, mas, mantendo essa média, a gente acaba permanecendo ali com o objetivo de ser campeão. Mas a confiança está na equipe o tempo inteiro, e a gente não vai deixar isso sumir nunca”, afirmou Leonardo Silva.

Com aproveitamento de 53,33%, o Cruzeiro ocupa o nono lugar com oito pontos e não conseguirá alcançar a meta estabelecida de somar pelo menos 16 pontos antes da paralisação do Brasileirão por causa da Copa do Mundo. Antes disso, o time mineiro fará dois jogos: contra o Santos, nesta quarta-feira, às 21h50, no Mineirão, e diante do Atlético-GO, domingo, às 18h30, no Serra Dourada, em Goiânia.

Leonardo Silva considera normal haver mudanças na equipe, como acenou o técnico Adilson Batista. “Aqui é um grupo, tem que todo mundo estar com o único objetivo, que é conquistar o título e as vitórias, então isso tem de permanecer sempre, independente de quem jogue ou que sistema que o Adilson use”, ressaltou o zagueiro.

Fonte: Gazeta Esportiva

O Cruzeiro ganhou por 1 a 0. E foi vaiado. Mesmo subindo para a terceira colocação do Campeonato Brasileiro, a torcida do Estrelado não perdoou o técnico Adilson Batista, que ouviu gritos de “burro” ao substituir o meia Roger. Reconhecendo uma atuação ruim, o comandante pediu paciência para as arquibancadas.

“Nós estamos falando só de um jogo. Nesses dois anos e meio (que ele comanda o time) não lembro de tomar sufoco. É que é muita cobrança e no Cruzeiro é maior. Isso eu falo de cadeira. Hoje não vamos esconder que o time jogou mal, recuou. Não é tão fácil”, comentou o técnico.

Uma das principais cobranças das arquibancadas foi com relação ao desempenho dos zagueiros. Gil, Leonardo Silva e, principalmente, Thiago Heleno não transmitem segurança para os torcedores. De qualquer forma, Adilson lembrou que não é fácil contratar jogadores para esta posição.

“Hoje eu fiz um levantamento dos zagueiros e eu confio nos três. Temos que passar tranquilidade, o torcedor precisa entender, que tem dificuldade no mercado. Gil, teve um crescimento enorme, o Léo virou capitão, ídolo da torcida. O Thiago Heleno é um belo zagueiro, mas o pessoal tem um ódio, o torcedor vem premeditado”, analisou o comandante, que ainda conta com Caçapa, Léo Fortunato e Luizão para a posição (mas os três não estrearam no Brasileiro).

Fonte: Globo Esporte

O meia Roger cobrou ousadia do grupo do Cruzeiro nesta sequência de Campeonato Brasileiro. Para ele, a equipe tem que partir para cima dos adversários e reconquistar a confiança perdida, após a eliminação da Taça Libertadores.

Depois de um jogo ruim contra o Botafogo – apesar da vitória por 1 a 0 –, o Cruzeiro enfrentará o Ceará, neste domingo, às 18h30m (de Brasília), pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro. Para Roger, a postura da equipe celeste tem que ser vencedora.

– É claro que vai depender do esquema e do que o Adilson Batista vai pedir. Mas acho que ele não vai mudar a postura. Não é jogo de ida e volta, em que a gente pode se recuperar em casa. Temos que ganhar fora de casa também. Na minha opinião, temos que jogar para vencer. O resultado pode ser qualquer um, mas temos que buscar a vitória.

Ao mesmo tempo em que cobrou uma atitude agressiva, Roger falou das dificuldades que o Cruzeiro encontrará em Fortaleza. Afinal de contas, o Ceará está na quarta posição da tabela, com o mesmo número de pontos que o time mineiro.

Mesmo sendo uma das equipes que subiram da série B para a série A, os jogadores do Cruzeiro estão muito atentos para as dificuldades da partida de domingo.

– A partir do momento em que o clube mudou de série, o planejamento é outro, é de série A. Os jogadores também são outros. A gente sabe o que vai encontrar lá. As torcidas do nordeste sempre apoiam o time. O Castelão tem um gramado enorme, fofo. Ainda bem que o jogo é à noite, porque o calor também é muito grande – disse Roger.

O meia celeste – que assumiu a posição de titular da equipe, após a ida de Gilberto para a seleção brasileira – já faz projeções de como o Cruzeiro deve estar na parada do Brasileirão, após sete rodadas. Para o jogador, estar entre os quatro primeiros é fundamental.

– Sem dúvida. Acho que é muito importante estar em uma boa colocação quando o campeonato parar. Correr atrás é muito difícil, Temos condições de terminar esses sete jogos em uma posição agradável. Começar do zero a partir da oitava rodada, em uma posição favorável, será muito importante.

Fonte: Site Oficial

Na noite em que estreou o quarto uniforme, o Cruzeiro superou o Botafogo, por 1 x 0, nesta quarta-feira, e conquistou a primeira vitória no Mineirão neste Campeonato Brasileiro. Invicto, o time celeste inflige ao Botafogo o primeiro revés na competição e encerra a quarta rodada entre os quatro primeiros colocados.

Terceiro colocado na tábua de classificação, a Raposa soma agora oito pontos ganhos e ultrapassa, entre outros, o próprio Botafogo, que fica em quinto lugar, com sete.

O Cruzeiro foi a campo com o armador Roger no comando do meio-campo após cumprir suspensão nas três primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro. Outra novidade no setor foi Fabinho como primeiro volante, em lugar do contundido Fabrício. O lateral-esquerdo Diego Renan acabou cortado por cansaço muscular e Fernandinho ocupou o setor.

Já o Botafogo, desfalcado dos atacante Abreu, Herrera e Caio, foi armado pelo técnico Joel Santana num cauteloso esquema 3-6-1, apenas com Edno no ataque e Renato Cajá no meio.

O jogo

O Cruzeiro sofreu um susto logo a 1 min, em cobrança de falta perigosa de Edno. Mas foi um lance isolado e o time celeste logo passou a ditar o ritmo da partida, com muita posse de bola e troca de passes em busca do melhor momento para dar o tiro certeiro.

Ele aconteceu aos 18, em jogada precisa de Jonathan, que se aproveitou da falha de Somália, recebeu pela direita, levantou a cabeça e cruzou firme. Thiago Ribeiro apareceu livre na pequena área, se antecipou a Jefferson e fez 1 x 0.

Depois de abrir a vantagem, o Cruzeiro deu sinais de acomodação e deixou de ser incisivo. O Botafogo, por sua vez, abandonou a postura defensiva e passou a arriscar mais.

Fábio então passou a se destacar. Caiu duas vezes no canto esquerdo para defender chutes insinuantes de Renato Cajá e Lúcio Flávio, aos 37 min e 38 min, respectivamente.

A melhor participação do camisa 1 ainda estava por vir. Somália tentou invadir a área pelo lado esquerdo e acabou derrubado por Gil. Renato Cajá se encarregou da cobrança e não conseguiu passar por Fábio, que caiu no canto esquerdo para marcar seu “gol”, aos 44 min.

O resumo do primeiro tempo é que o Cruzeiro foi melhor enquanto se interessou pelo jogo, mas acabou superado pelo Botafogo a partir do 25º minuto.  Prova disso é que os cariocas finalizaram oito vezes em 45 minutos, contra apenas cinco do time celeste.

A Raposa voltou melhor para a segunda etapa e encontrou um adversário diferente. Joel Santana lançou o atacante Alex no lugar do volante Sandro Silva e Botafogo abandonou o esquema 3-6-1. O jogo ficou mais franco, com lances de perigo nas duas áreas.

O Cruzeiro poderia ter ampliado o placar aos 16, após boa troca de passes. Thiago Ribeiro acertou passe em profundidade para Jonathan, que cruzou. A bola chegou à feição, mas Kleber, pressionado por um defensor, errou o chute a bola subiu demais. O Botafogo não ficou atrás e Fábio precisou espalmar forte chute de Alex três minutos depois.

Adilson fez a primeira substituição aos 20 min. O meia Pedro Ken entrou no lugar de Roger para ajudar o Cruzeiro a ganhar o combate no meio-campo. Seis minutos depois, Fabinho deixou o campo, contundido, e deu lugar ao volante Elicarlos. Aos 31 min foi a vez que o equatoriano Guerrón entrar na vaga de Thiago Ribeiro, para tentar incendiar o jogo.

Até o apito final, o Cruzeiro se preocupou em administrar a vantagem, foi pouco efetivo no ataque e conseguiu evitar que o Botafogo conseguisse o empate.

CRUZEIRO 1 X 0 BOTAFOGO

Motivo: quarta rodada do Campeonato Brasileiro
Data: 26/05/2010 (quarta-feira)
Local: Mineirão, em Belo Horizonte
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Público: 8.501 pagantes
Renda: R$ 170.264,88
Gol: Thiago Ribeiro, aos 18 min do primeiro tempo

Cruzeiro
Fábio; Jonathan, Gil, Leonardo Silva e Fernandinho; Fabinho (Elicarlos), Marquinhos Paraná, Henrique e Roger (Pedro Ken); Thiago Ribeiro (Guerrón) e Kleber
Técnico: Adilson Batista

Botafogo
Jefferson; Antônio Carlos, Fahel e Fábio Ferreira; Alessandro, Sandro Silva (Alex), Leandro Guerreiro, Renato Cajá (Diguinho), Lúcio Flávio (Marcelo Cordeiro) e Somália; Edno
Técnico: Joel Santana

Fonte: Portal Terra

Depois de somar apenas dois pontos nos últimos dois jogos do Campeonato Brasileiro, contra Avaí e Guarani, o Cruzeiro contará com um reforço importante para a próxima rodada. O meio-campo Roger cumpriu suspensão e está liberado para encarar o Botafogo nesta quarta-feira, às 21h50, no Mineirão.

Roger precisou ficar três jogos ausente por conta de uma punição em incidente ainda na época em que defendia o Grêmio, no ano passado. O jogador espera ajudar o time celeste a reencontrar o caminho das vitórias.

“Agora é bom. Foram dias sofríveis treinando fim de semana e torcendo do lado de fora. Mas tenho de cumprir a lei. E a lei optou por me dar três jogos de suspensão. Agora que já passou, estou muito feliz que volto a jogar”, declarou Roger.

O atacante Thiago Ribeiro alertou que é hora de o Cruzeiro reagir na competição e que só uma vitória poderá ser considerado um bom resultado. “Correr atrás do resultado desgasta muito o time. Isso não pode acontecer mais. Agora é fazer diferente contra o Botafogo. Qualquer resultado que não seja uma vitória será uma tragédia”, afirma o camisa 11.

Fonte: Site Oficial

Disposto a não se distanciar das primeiras colocações, o Cruzeiro enfrentará o Botafogo, nesta quarta-feira, às 21h 50, no Mineirão, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. Após empatar nas duas últimas partidas, o time estrelado precisa dos três pontos para figurar entre os líderes da competição.

Com uma vitória e dois empates até aqui, o Cruzeiro está na oitava posição, com cinco pontos ganhos e ainda busca o primeiro triunfo em casa neste Brasileirão. O jogo desta quarta-feira poderá fazer com que o time celeste ultrapasse o adversário, uma vez que o Botafogo está na terceira posição, com sete pontos.

Para esta partida, o técnico Adilson Batista contará com dois atletas importantes. O zagueiro e capitão Leonardo Silva e o armador Roger voltam de suspensão e estão relacionados.

Já o Botafogo não poderá escalar os três principais atacantes do elenco. Herrera e Caio estão suspensos e Abreu se apresentou à seleção uruguaia para a disputa da Copa do Mundo.

Para o atacante Kleber, o Cruzeiro precisa mostrar força como mandante e vencer o Botafogo, que está a apenas dois pontos na frente.

“É um jogo importante para a gente, o Botafogo está lá em cima e brigando lá na frente. Portanto é um confronto direto e dá para passá-los. Esperamos vencer a primeira em casa”, destacou.

Outro jogador que acredita na vitória celeste é o lateral-direito Jonathan. Apesar de confiar nos três pontos, o jogador enfatizou a qualidade do adversário, que sempre dificulta as ações do Cruzeiro nos confrontos entre as equipes.

“O time do Cruzeiro, com a mentalidade que tem hoje, tem que buscar vencer todos os jogos, independentemente do adversário. Estamos jogando em casa e precisamos impor nosso ritmo, mas sempre sabendo que o Botafogo tem as suas armas também. Não podemos sair desesperados para fazer os gols”, ressaltou.

O Cruzeiro não perde para o Botafogo há 13 anos no Mineirão. Neste período, foram dez jogos, com oito vitórias celestes e dois empates. O time estrelado marcou 24 gols e sofreu 11.

As duas equipes já se enfrentaram 72 vezes na história e a supremacia do Cruzeiro é ampla. O time estrelado venceu 30 jogos, empatou 24  perdeu apenas 18. O ataque azul e branco marcou 105 gols e a defesa sofreu 86.

Fonte: Lance!

Depois de ser eliminado na semifinal do Campeonato Mineiro e nas quartas de final da Libertadores, o Cruzeiro aposta todas as suas fichas no Campeonato Brasileiro para não terminar a temporada sem títulos.

Mais do que levantar um troféu em 2010, os jogadores acreditam que seria justo o grupo formado há dois anos conseguir uma conquista a nível nacional.

– Acho que é a cartada final. É a hora de o Cruzeiro buscar um título de grande expressão pelo grupo que tem. Se analisarmos, a maioria do grupo está aqui há pelo menos três anos. Com o elenco que temos, sair três anos depois sem conquistar um título é ficar marcado como um elenco que tinha qualidade, mas não conquistou nada. Espero que este título possamos buscar para podermos ficar marcados – ponderou o Gladiador.

Desde o início da formação do time sob a batuta do técnico Adilson Batista, em 2008, a Raposa conquistou dois estaduais e disputou três vezes a Libertadores.

Fonte: Site Oficial

O empate por 2 x 2 com o Avaí,  na noite deste domingo, no Mineirão, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro, mantiveram o bom retrospecto do Cruzeiro contra os catarinenses na história do confronto, que teve início no ano passado. Após saírem perdendo por 2 x 0 no primeiro tempo, os jogadores atribuíram o resultado a conversa com o técnico Adilson Batista, no intervalo.

Em três confrontos na história, o time estrelado conseguiu uma vitória e dois empates. As duas equipes se encontraram pela primeira vez no primeiro turno do Brasileirão do ano passado. O Cruzeiro venceu por 1 x 0, com um gol de pênalti, marcado pelo atacante Zé Carlos.

No segundo turno do Nacional, no estádio da Ressacada, em Florianópolis, houve empate por 2 x 2, e o Cruzeiro vencia até os 47 min do segundo tempo. Naquela ocasião, os gols da Raposa foram anotados por Leonardo Silva e Fabrício.

O volante Fabrício crê que, pela situação da partida, o resultado foi importante. Ele afirmou que o time acordou depois da bronca do técnico Adilson Batista.

“Infelizmente, queríamos os três pontos hoje (domingo). Mas pela situação, com um a menos, a gente chegou ao empate e acho que criamos muitas oportunidades. Foi bom pela determinação de todo mundo e este um ponto valeu muito”, destacou.

“Alguns jogadores que não estavam rendendo no primeiro tempo, tomaram uma chamada do Adilson (Batista) no intervalo e vieram com tudo no segundo tempo”, completou.

O atacante Thiago Ribeiro concorda com o companheiro e enalteceu a participação do comandante celeste, no importante resultado conquistado neste domingo.

“O primeiro tempo foi complicado, porque jogamos com um a menos e a equipe estava um pouco perdido na marcação. No segundo tempo, o Adilson conversou com a gente para apertamos a marcação lá na frente e por isso conseguimos o empate e poderíamos até ter conseguido a virada”, observou.

Fonte: Site Oficial

duelo das quartas de final da Copa Santander Libertadores será o sétimo que Cruzeiro e São Paulo travarão por uma fase decisiva de competição nos últimos 40 anos. Acostumados às conquistas, os clubes já se esbarraram em certames como Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil, Recopa Sul-Americana, Copa Ouro e a própria Libertadores.

O histórico do Cruzeiro é muito bom em tais confrontos. O time celeste saiu vitorioso em quatro e foi eliminado em um (em outro, venceu o jogo, mas não levou o título).

O primeiro embate decisivo foi pelo quadrangular final do Brasileirão de 1973. Com gol de Palhinha, o time celeste levou a melhor e venceu por 1 x 0, no Mineirão, em 17 de fevereiro de 1974. Mas e seguida o Palmeiras somaria pontos e conquistaria o título.

Vinte anos depois, as equipes se esbarraram nas quartas de final da Copa do Brasil. Em 4 de maio, a Raposa venceu no Mineirão, por 2 x 1, gols de Tôto e Boiadeiro, contra um de Cláudio. Na volta, uma semana depois, o empate por 2 x 2 no Morumbi valeu a vaga para o Cruzeiro. Cleison (2) marcou para o time celeste, Elivélton e Douglas para o São Paulo.

Ainda em 1993, novo empate decisivo, desta vez pela Recopa Sul-Americana. Foi a única decisão em que o São Paulo levou a melhor. Após dois empates por 0 x 0, o Cruzeiro perdeu por 4 x 2 na disputa por pênaltis, em 29 de setembro, no Mineirão.

Dois anos depois, Cruzeiro e São Paulo se encontraram nas quartas de final da Supercopa. Como Veles Sarsfield e Independiente desistiram da Copa Ouro, os jogos valeram também pelo outro torneio organizado pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol)

Em 24 de outubro de 1995, o São Paulo abriu o placar com Palhinha e o Cruzeiro teve Rogério, Vanderci, Fabinho e Marcelo Ramos expulsos no primeiro tempo. Ênio Andrade fez as três substituições no intervalo e Luiz Fernando Gomes se machucou, deixando o time celeste com seis homens em campo, o que inviabilizou a continuidade da partida.

A Conmebol manteve o resultado e o jogo de volta foi disputado no Pacaembu, em 2 de novembro. O Cruzeiro venceu por 1 x 0, gol de Dinei, e fez 4 x 1 nos pênaltis, com grande atuação de Dida. Vitória dupla, válida pela Supercopa e pela Copa Ouro.

Cruzeiro e São Paulo fizeram em 2000 uma final memorável na Copa do Brasil. O jogo de ida, em 5 de julho, terminou em 0 x 0 no Morumbi. Apenas quatro dias depois, Marcelinho Paraíba abriu o placar já aos 29 min do segundo tempo e o Cruzeiro virou, com tentos de Fábio Júnior, aos 35 min, e Geovanni, em cobrança de falta aos 46 min, no Mineirão.

Por fim, a mais recente decisão entre os rivais aconteceu nas quartas de final da Libertadores 2009. Em 27 de maio, o Cruzeiro venceu por 2 x 1, no Mineirão, com gols de Leonardo Silva e Zé Carlos, contra um de Washington. No Morumbi, novo triunfo celeste, por 2 x 0, tentos de Henrique e Kleber, valeu a vaga na semifinal.

Siga-nos no Twitter